post

Cento e oitenta e um …

… dias desde que não escrevo nada por estas bandas. As razões são várias e não vale a pena enumerá-las. Ideias para posts há muitas mas nunca chegaram a passar disso mesmo (e não é só neste blog).

Enfim, este é capaz de ser um dos meus posts mais breves de que há memória e espero que consiga regressar à rotina da escrita, pois escrever faz bem e ajuda a consciência de um gajo 😀

Reblogging

post

A meio caminho

A minha luta contra o peso nos últimos dois anos tem sido sempre de altos e baixos. Depois de um início em que efectivamente consegui perder algum (6 quilos num mês) e depois “às pinguinhas” durante vários meses, a verdade é que cheguei a um ponto em que parece que o corpo estagnou (110 kg).

Ora estagnar nem é mau. Mais quilo, menos quilo a verdade é que apesar do ainda notado excesso de peso, em retrospectiva, já perdi 15 kg do máximo que alguma vez pesei. Devia estar orgulhoso disso mas não estou, pois tenho este peso à praticamente um ano estando ainda longe do objectivo mínimo de 95 kg.

Luta contra o peso

Porque é que ainda não consegui chegar lá? Tenho feito exercício pelo menos 3 vezes por semana e os hábitos alimentares, comparados com o que eram, são muito diferentes. Posso inventar mil e uma razões desculpas e dizer que quero realmente mudar, mas faz sentido eu dizer que quero apesar de não o sentir? Parece que não tenho consciência da utilidade do esforço da mudança e, quão Ricardo Reis, aceitei o destino que me foi talhado vivendo o dia-a-dia consciente disso.

Parece que não tenho a motivação mental para conseguir peso. E isso, afecta claramente o meu modo de estar: desanimado, desmotivado e com tendências emo (mas sem querer cortar os pulsos obviamente). Posso tentar disfarçar estas emoções colocando um escudo de uma pessoa alegre e bem-disposta por fora, tentando novas aventuras em áreas onde nunca me veria mas, internamente sinto-me sozinho e isolado.

Sempre fui um realista e um pessimista por natureza. Talvez se passar a encarar as situações de uma forma mais optimista e de mente mais aberta, como já-me foi indirectamente sugerido, possa ver mudanças.

post

E que tal escrever menos ha?

Escrever muito

Start: 00:13

Se há coisa que eu gosto de fazer é de escrever muito e principalmente escrever bem. O problema é que nem sempre este é uma boa prática. Para escrever bem é preciso tempo para pensar e traduzir aquilo que vai no momento pela cabeça e, para além disso, ter em conta a ortografia e a gramática correcta. Pessoalmente, tenho a “tara” de perder muito tempo em criar/alterar um parágrafo. Isto provoca uma enorme desorganização porque depois não se tem tempo para fazer outras coisas.

Chamem-me perfeccionista ou o que quiserem mas sou daqueles que acredita que “tem estar tudo por escrito” e bem. Não só porque se consegue contextualizar toda a informação em vez de inventar por outras palavras, como procurar reunir os factos num único lugar e não ser apanhado de surpresa quando questionado sobre o assunto. Claro, não nos podemos esquecer que a informação pode ser novamente precisa no futuro e para isso, garantir que a informação está bem documentada.

Confrontado com este assunto, tenho que ver se passo a sintetizar mais os meus textos e a ser menos picuinhas. Neste momento, não tenho tempo – e principalmente paciência – para escrever textos longos.

End: 0:54

EDIT: Não se pode perder tantos minutos a escrever 3 parágrafos!!!

post

O meu Pai descobriu a Internet

O meu pai descobriu a internet

Já temos computador cá em casa à mais de 15 anos e só nos últimos tempos é que o meu Pai começou a ter algum interesse em mexer nele e descobrir que afinal não serve só para jogar às cartas. Muito disto é graças a cada que cá mora casa já ter o seu próprio portátil, deixando o “dinossauro” livre para o meu Pai, que depois de chegar a casa do trabalho e jantar, senta-se um bocadinho a fazer qualquer coisa.

Depois de uma curta aprendizagem a ver mails e a usar o Skype reparei agora que finalmente o bichinho da curiosidade despertou e agora começou a usar a Internet, para as pesquisas dele, o Google Maps, para poder ver as antigas casas onde viveu em Angola, na África do Sul e em Portugal e a nova paixão dele, o YouTube.

O engraçado é que conseguiu descobrir aquilo sozinho e agora consegue rever os melhores momentos do Ayrton Senna nas pistas de Formula 1 e músicas do tempo dele. Neste último, está umas horas valentes a ouvir ídolos que eu nunca ouvira sequer falar. O engraçado é que consegue fazer as coisas à base da tentativa e erro, mas depois  sabe como voltar atrás.

Como a minha filosofia com os meus pais é: “Descubram vocês, se fizerem asneira eu depois arranjo”, fico contente por ele estar a descobrir este mundo fantástico. Qualquer dia já tem um blog só dele para poder contar as anedotas à malta 😀

post

Semana decisiva

Tenho andado muito pensativo ultimamente. E quando assim é, tudo o que oiço, vejo ou toco encontro um padrão, uma razão de ser ou lógica… por vezes até onde não existe. É triste ter que admitir não saber que rumo tomar, o que se deve fazer ou até mesmo o quê desta vida.

Numa semana após umas mini-férias onde pude esfriar a cabeça e ter tempo para mim chegou a “semana decisiva” que já tenho ansiado à meses e que vai ditar muita coisa de hoje em diante. Embora haja ainda muitas indecisões espero ter tomado a decisão certa. No final da semana veremos.

UPDATE: Correu melhor do que eu pensava e já saiu o peso enorme nas costas que tinha. Agora é fazer o planeado 🙂

post

Ano novo, vida velha

Já estamos em 2011 e ao contrário do que tenho feito não fiz nenhumas resoluções de fim de ano. Não é que eu tenha planos futuros mas simplesmente cheguei ao ponto de não ter a necessidade de planear coisas nesta altura e deixar a vida levar o seu rumo.

Todos os objectivos que tracei para 2010 foram mais ou menos cumpridos e os de 2011 já foram traçados já em Agosto passado. Assim limito-me apenas a dizer que  vou deixar acontecer, só peço é saúde, pois o resto conquista-se com trabalho.

Bom ano para todos.