post

Porto tri-campeão nacional

É com muita pena minha que não vejo o Sporting sagrar-se campeão nacional, mas temos que ser sinceros. Das 5 equipas que estão no topo da liga portuguesa o Porto foi sem dúvida a que mais mereceu dada a sua regularidade, eficiência e “equipa” e sem apito que é mais importante.

O Sporting este ano não justificou nada estar nos 5 primeiros. Mas já estamos habituados ao “para o ano há mais”, “para o ano é que é”. Tretas. Querem fazer equipas de tostões e ganhar o campeonato? É possível isto mas o problema do sporting na minha opinião foi o mal investimento.

Mas este post não é para falar sobre o Sporting mas sim sobre o Porto, mas fica o aviso: custa-me falar sobre os tripeiros. A diferença do Porto para as restantes equipas tem muito  a haver com a estrutura directiva do Porto SAD. Pinto da Costa é daquelas pessoas que têm olho no negócio e só por si, justifica 16 títulos em 20 e poucos anos de presidência do FCP.

Pinto da Costa

Para além de ter um treinador competente, tem também uma equipa 5 estrelas. A começar na baliza, está um guarda-redes fabuloso chamado Helton. E na defesa, Bruno Alves comanda as tropas. Nas posições mais ofensivas Lucho Gonzalez e Lizandro Lopez valem meia equipa sem esquecer as diabruras do Quaresma e do Sektoui, sem esquecer, o excelente banco que temNo entanto, há a destacar um pequeno jogador chave na estratégia de Jesualdo Ferreira: Paulo Assunção. É, sem dúvida, a balança entre a defesa e o ataque do Porto. Ninguém dá por ele, joga simples e não complica, está sempre na posição devida para trocar a bola e recuperá-la.

O maior sonho do Sporting e dos lampiões é terem um presidente como Pinto da Costa. E se as coisas mantiverem assim, não duvido nada que o Porto possa se tornar tetra-campeão na próxima época. Só sei que nem liguei a televisão desde que começou o jogo do Porto contra o Estrela. É nas alturas em que os adeptos de Lisboa se escondem debaixo da cama e rezam para que o dia de amanhã termine o mais depressa possível :/

Parabéns ao Porto, a única equipa (dos 3 grandes) que soube jogar.