post

O preço da fama

No passado sábado ocorreu a final do Britains Got Talent 2009. Graças ao YouTube pude seguir activamente todos os programas desde que esta começou no início de Abril. Tinha como favoritos para vencer a final, Susan Boyle, Jamie Pugh, Hollie Steel e o grupo Diversity, sendo que Jamie Pugh era de facto, o meu preferido para vencer toda a competição.

Depois da desilusão que foi Jamie Pugh na semi-final, fruto do seu enorme nervosísmo e falta de sincronismo, as minhas atenções viraram-se para os Diversty e para quem poderiam fazer-lhes frente. A pequena Hollie, corajosa ou não, foi riscado da minha lista devido a fraca prestação na semi-final – porque é que uma menina de 10 anos pode repetir e ou outros não? – ficando apenas, Susan Boyle e os Diversity.

Conhecendo a famosa pressão dos media britânicos, Susan Boyle pelos vistos teve uma semana muito difícil antes da grande final e, agora com a final concluída, a senhora de uma pequena aldeia de Escócia com uma voz angelical não conseguiu aguentar a popularidade mundial que obteve e foi internada num hospital psiquiátrico.

Bem se viu na altura do anúncio do vencedor que a Susan estava bastante nervosa e quase a desmaiar. É o preço da fama: uns aguentam, outros não conseguem. Só espero que os Diversity tenham uma carreira de sucesso. Muitos dizem que a Susan desiludiu na final. Eu não acho isso, os Diversity foram apenas os melhores de toda o evento.

Nota: Stavros Flately foram estupidamente incríveis 🙂

post

Firefly, um sucesso cancelado?

FireflyNestes últimos meses tenho debatido com um colega da faculdade sobre qual a melhor série de ficção científica. Do meu lado defendia que Babylon 5 e Stargate SG1 foram as melhores enquanto que o meu colega apoiava FireFly.

Eu apresentava argumentos como Babylon 5 (1993) teve 5 anos no ar e que foi uma das primeira séries de ficção científica a utilizar grandes efeitos gráficos em 3D e para além disso, uma história impressionante que terminou com um final para mim, a melhor de sempre em todas as séries. Já o Stargate SG1 (1994) fala por si: 10 anos no ar, histórias excelentes e muitos prémios e só terminou porque o pessoal achou terminar por cima.

Já o meu colega dizia que Firefly (2002) foi eleita pela ISBN como a melhor série de ficção científica de sempre e que ganhou uma data de prémios. Se é a melhor série de sempre porque só teve 14 episódios? Foi cancelada por “incompetência da FOX” disse o meu colega. Como não posso falar sem saber, lá resolvi começar a ver os episódios do Firefly. O meu colega emprestou a caixa da série que comprou, escusava eu assim de arranjar por outros meios. Já vou no 4º episódio e até agora ainda não me convenceu.

Uma nota para o meu colega: enquanto eu vou ver os 14 episódios + filme, sugiro que vejas os 214 episódios do Stargate + filmes para termos argumentos iguais e sabermos do que estamos a falar. De referir que os episódios do Stargate dá para 6,3 dias,  portanto sugiro que comeces já.

Quando acabar de ver isto logo dou a minha opinião geral sobre a série.

*Não referi Star Trek porque tem muitas vezes episódios secantes e Stargate Atlantis porque ainda não tive oportunidade de ver.

post

A SIC e a TVI cada vez mais metem nojo

É horrível chegar por volta das 2:30/3:00 da manhã e ao fazer zapping para a SIC ou para a TVI e assistir a uma verdadeira tristeza nacional.

No caso da TVI, o “Toca a Ganhar”. A apresentadora, uma Liliana Aguiar (uma daquelas que participou num dos piores concursos nacionais que já vi, o Big Brother 2 ou 3 ou 4 ou por aí adiante) que até nem é má de cara e corpo, mostra uma enorme falta de cultura geral e nem sabe apresentar ficando-se na repetição do texto umas dez vezes seguidas.

Toca a Ganhar com Liliana Aguiar

Já repararam o número de vezes que ela diz “Ligue 760 bla bla..”, e “falta 1:45 para…” (mais 2 minutos à espera que um otário ligue)? Implorou tanto que lhe ligassem, insistiu tanto com o “tenho dinheiro para lhe dar” que caso o programa demorasse mais uns cinco minutinhos ela tinha mostrado um dos seus seios. Ela tanto berrou, tanto chateou que teve de beber água durante o programa para retemperar a voz. Ah e não nos esqueçamos da falta de coordenação entre a apresentadora e a equipa técnica havendo momentos de pura burrice. Continue reading